Produção enxuta como ferramenta de aumento dos lucros

27/08/2012 15:22

Existe um estoque nas organizações, que deveriam ser objeto de maior preocupação dos administradores das empresas: os estoques em processo

As empresas, via de regra, se preocupam muito com os estoques de matéria prima ou de produtos prontos para venda. No entanto, estes estoques dependendo do segmento empresarial podem ser estratégicos e necessários, servindo como um amortecedor para demandas flutuantes de venda ou de segurança em caso de interrupções de fornecimento. Mas existe um estoque que ocorre nas organizações, que deveriam ser objeto de maior preocupação dos administradores das empresas, que são os "estoques em processo".

Os "estoques em processo" fazem com que as empresas, mesmo atingindo suas metas de produção não atingem um resultado financeiro adequado, ou seja, não obtém um lucro desejado ou em até alguns casos, acabam por amargar prejuízo.

Esta situação ocorre porque os estoques em processo aumentam os custos de fabricação, em função do tempo de permanência do produto dentro da fábrica. Este indicador é denominado como "tempo de escoamento", que mede o tempo que as ordens de produção demoram em atravessar o processo produtivo, levando em conta as interrupções de produção, pelos mais variados motivos, quer sejam: falta de material, funcionários, quebras de equipamentos, reprogramações etc.

Como solução para este mal, surge a "produção enxuta" que possibilita através de técnicas regular o fluxo produtivo, balancear a carga de trabalho entre os setores, reduzindo o tempo de escoamento das ordens de produção.

As técnicas utilizadas são:

Organização e adequação da sistemática de trabalho do PPCP; Identificação e administração dos gargalos produtivos; Desenvolvimento de técnicas de preparação rápida; Estudo de cronoanálise e adequação do layout, tornando-o um layout produtivo; Células produtivas através do desenvolvimento da Tecnologia de Grupo e polivalência de funcionários

A implementação destas ações em conjunto com um bom software de ERP, como exemplo o da empresa SuperSoft Sistemas, possibilitam uma maior flexibilização da empresa, permitindo trabalhar com lotes menores de produção e maior variação de itens, assim como absorver de maneira mais harmônica a necessidade de produções urgentes, que podem surgir para atendimento de clientes prioritários, ou demandas de mercado não previstas.

Com certeza estas ações permitirão uma empresa mais flexível, mais lucrativa e construirão um ambiente melhor no relacionamento entre as áreas e com o mercado, mantendo um controle eficiente através de relatórios seguros e confiáveis, que serão apontados pela utilização de um software que seja ágil e de fácil usabilidade. Como recomendação, sugiro que façam um teste com os sistemas de gestão empresarial da empresa SuperSoft , que tenho utilizado e gerado informações confiáveis nas decisões estratégicas dos projetos em que tenho participado.

MSc. Antonio Carlos de Campos

Antonio Carlos é mestre em engenharia da produção, professor em cursos de pós-graduação, consultor e sócio da empresa ACC – Consultoria.